Presidente ivoiriense reinsere 3 mil jovens recrutas no Exército

Abidjan- Côte d'Ivoire (PANA) -- O Presidente ivoiriense Laurent Gbagbo decidiu reinserir no seio das Forças de Defesa e Seguraça da Côte d'Ivoire (FDS-CI) três mil jovens recrutados pelo Estado-Maior das Forças Armadas logo depois da tentativa do golpe de Estado de 19 de Setembro de 2002.
Este anúncio foi feito terça-feira em Abidjan à imprensa pelo porta- voz do Estado-Maior, o coronel Babri Gohourou, no final duma audiência concedida pelo Presidente Gbagbo aos representantes dos jovens soldados.
"Os jovens recrutas nos contigentes de 2001-2002 desejavam expor os seus problemas, nomeadamente a sua manutenção no Exército nacional, directamente ao Presidente Laurent Gbagbo, após os terem apresentados ao chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, o general Philippe Mangou", declarou Gohourou, confirmando que este pedido foi aceite pelo chefe do Estado.
Na noite de 1 de Fevereiro corrente, jovens recrutas ao serviço da Guarda Republicana de Yamoussoukro (capital política ivoiriense, a 241 quilómetros ao norte de Abidjan), desencadearam um violento movimento de protesto, com disparos, a fim de obter o pagamento dos seus salários em atraso, exigindo ao mesmo tempo a sua reinserção no Exército.
O movimento propagou-se rapidamente em várias cidades do interior do país, suscitando o pânico entre as populações, segundo o porta-voz.
O general Mangou, que recebeu em audiência os seus representantes a 5 de Fevereiro em Abidjan, tinha recebido um ultimato de dez dias para satisfazer as suas reinvindicações.
Esta decisão do chefe do Estado ivoiriense, que parece ter sido muito difícil de tomar, constitui, segundo observadores, uma violação flagrante do Acordo Interivoiriense de Paz, rubricado a 23 de Janeiro de 2003 em Linas-Marcoussis (França) e que prevê a desmoblização de todos os militares recrutados após 19 de Setembro de 2002.

14 Fevereiro 2007 21:43:00




xhtml CSS