Presidente francês considera "excecionais" mulheres Prémio Nobel da Paz de 2011

Paris, França (PANA) – O Presidente francês, Nicolas Sarkozy, felicitou calorosamente, sexta-feira, as  «três mulheres excecionais" a quem o Prémio Nobel da paz de 2011 acaba de ser outorgado.

Trata-se da Presidente liberiana, Ellen Johnson-Sirleaf; da sua compatriota  Leymah Roberta Gbowee, e da Iemenita Tawakkol Karman.

Quanto, à sua homóloga liberiana, Sarkozy afirmou que ela é um símbolo da promoção da   democracia em África.

«O compromisso infalível da Presidente Ellen Johnson-Sirleaf a favor da paz, da justiça social e do desenvolvimento permitiu à Libéria virar a página de quatorze anos de violência e de falta de direito», escreveu o Presidente francês num texto transmitido à PANA em Paris.

Para Sarkozy, a Liberiana Leymah Roberta Gbowee ilustra o papel insubstituível da sociedade civil liberiana, e seu compromisso contra a violência, para os direitos das mulheres e a proteção das crianças, nutriu a esperança, mesmo nas horas mais sombrias, e preparou o progresso do país.

"Distinguindo estas duas Liberianas admiráveis é também a renascença da Libéria que este Prémio Novel acaba de sublinhar e encorajar", lê-se no texto do estadista francês.

Ele faz votos que as eleições que a Libéria prepara confirmam a solidez da sua jovem democracia.

Sarkozy apelou, por isso, a todas as forças políticas liberianas para trabalharem neste sentido.

O Presidente francês homenageou, por outro lado, à Yemenita Tawakkol Karman, co-laureada  com as duas Liberianas do Prémio Nobel da paz de 2011, considerando que a sua distinção é uma homenagem ao "combate corajoso» dos povos árabes pela democracia e pela liberdade.

-0- PANA SEI/SSB/CJB/DD 07out2011

07 Outubro 2011 20:44:26




xhtml CSS