Preparativos do Mundial nas primeiras páginas de jornais sul-africanos

Cidade do Cabo- África do Sul (PANA) -- A dois anos da fase final do Mundial de 2010 na África do Sul, os preparativos deste país para a organização desta competição invadiram as primeiras páginas dos jornais desta semana.
Por outro lado, o Escritório do Comité Organizador Local (COL) encarregue de coordenar O Campeonato do Mundo e o Campeonato das Confederações previsto no próximo ano, reuniu-se em Joanesburgo (no mesmo país) em relação às declarações duvidosas do presidente da FIFA, Sepp Blatter, na semana passada, segundos as quais a sua instituição tem um "Plano B" em caso de incapacidade da África do Sul de acolher o torneio mundial.
A notícia provocou um movimento de indignação na imprensa que acusa a FIFA de "atiçar o fogo" e o Comité Organizador "de ser muito lento na execução" das principais obras para o Mundial de 2010.
As más notícias expandiram-se na África do Sul quando Jerome Valcke, o secretário-geral da FIFA, que assistiu à reunião deste escritório, anunciou que a Baía Nelson Mandela foi retirada da lista dos lugares que deverão albergar o Campeonato das Confederações, por causa dos atrasos observados na construção deste estádio.
Valcke indicou, no entanto, que a África do Sul está numa boa via tendo em conta o cumprimento da maioria dos seus prazos.
Por outro lado, o jornal News 24 ressaltou que bilhões de rands foram injectados na construção dos estádios para o Campeonato do Mundo, "enquanto uma maioria esmagadora dos sul-africanos são pobres".
Referindo-se à Coreia do Sul e ao Japão que organizaram o primeiro Mundial deste século, nomeadamene aos gigantescos e impressionantes estádios construídos para o evento pela Coreia do Sul, o jornal indicou que a Coreia do Sul continua a pagar os empresários e que os mesmos estádios são raramente utilizados.
"A África do Sul quer impressionar o mundo organizando um Mundial de que não precisamos.
Nos precisamos de empregos, de casas, de infra-estruturas de alto nível, de uma boa educação mas não queremos o aumento dos preços dos produtos alimentares e do petróleo nem um campeonato do mundo", escreveu o News 24.
Por sua vez, o jornal Business Day afirma que os níveis elevados dos crimes e os recentes ataques xenófobos continuam a abalar os esforços da África do Sul para convencer a comunidade internacional de que pode organizar o torneio.
"Com efeito, o patrão da FIFA, Sepp Blatter, falou na possibilidade dum local alternativo, por razões de segurança e indisponibiidade de infra-estruturas", escreve o jornal.
O Sowetan sublinha que o povo não pode admitir que uma organização tão grande como a FIFA não disponha de plano de emergência para um evento tão importante como o Mundial.
"Não é por acaso que o chamam de maior evento desportivo.
Se os nossos detractores tiverem a oportunidade de nós denegrir, fá-lo-ão e devemos habituar-nos a isto.
Mas, vamos albergar o Mundial com sucesso", sustentou o jornal muito optimista.

12 Julho 2008 22:28:00




xhtml CSS