Polémica sobre eleições presidenciais em destque no Togo

Lomé- Togo (PANA) -- A polémica sobre o modo de escrutínio para as eleições presidenciais de 28 de Fevereiro de 2010 continua a alimentar sérios debates na imprensa no Togo, enquanto a oposição e o partido no poder, em negociações em Ouagadougou, contiunam divergentes a algumas semanas da data marcada.
A oposição exige um modo de escrutínio em duas voltas e a modificação da Constituição para reparar a revisão de 2002 que introduziu o modo de escrutínio a uma volta, apoiado pela Coligação do Povo Togolês (RPT, no poder).
O secretário-geral da União das Forças de Mudança (UFC, principal partido político da oposição), Jean-Pierre Fabre, diz que "se não houver escrutínio em duas voltas não haverá eleição", segundo o semanário "Crocodile".
"Temos de continuar a refletir" afirma, por sua vez, o Comité de Acção para a Renovação (CAR) no mesmo jornal.
O "Le Messager" advoga "o respeito da Constituição" e apela para a manutenção do escrutínio uninominal a uma volta.

02 Janeiro 2010 17:35:00


xhtml CSS