Perito da UA condiciona desenvolvimento de África a infraestruturas eficazes

Addis Abeba, Etiópia (PANA) – « África não pode conseguir o seu desenvolvimento sem infraestruturas”,  declarou, quinta-feira em Addis Abeba, o diretor da Comissão da União Africana (CUA) para os Assuntos Económicos, René Kouassi Nguéttia.

Nguéttia fez esta declaração por ocasião duma reunião em Addis Abeba de peritos em prelúdio à oitava Conferência Anual dos Ministros Africanos da Ecomomia, Finanças e Planeamento.

Discursando sobre o « estatuto da integração », « acelerar o processo de integrção pelo desenvolvimento das infraestruturas », Kouassi declarou que o continente nunca conseguirá alcançar o desenvolvimento sem infraestuturas adequadas.

A falta de infraestruturas boas tem um impacto no crescimento económico e na competitividade das empresas, explicou o responsável africano,  instando o continente a priorizar a infraestruturas.

Sublinhou que África tem um caminho a percorrer em matéria de infraestruturas,  deplorando que, no continente, apenas 16 porcento de estradas sejam asfaltadas contra 75 porcento na Ásia.

Dois terços dos países africanos sofrem de penúrias de eletricidade e, citando um estudo recente, o perito declarou que  é preciso investir anualmente 73 biliões de dólares americanos para colmatar o défice em termos de infraestruturas em África.

A seu ver, a ajuda ao desenvolvimento não basta para compensar este défice e apoios exteriores não são uma panacéia para o desenvolvimento de África e é preciso recorrer-se a financiamentos inovadores.

« África já não deve estar no cais mas deve apanhar o comboio do financiamento inovador. O desafio é enorme e vários programas ambiciosos na agenda de 2063 », sugeriu.

É preciso fazer alguma coisa para que se busque, a nível de África, estes financiamentos inovadores de que o continente precisa para se por em marchar, acrescentou.

Segundo um documento distribuído aos peritos durante esta reunião, « África é a região do mundo onde o défice em termos de infraestruturas económicas eficientes levanta um sério problema para o desenvolvimento dum potencial industrial e económico eficaz ».

As infraestruturas são indispensáveis para alavancar libertar a África em matéria de industrialização com vista a um crescimento económico sustentável e inclusivo favorável à transformação económica, lê-se no mesmo documento.

O mau estado das infraestruturas e a ausência de conetividade entre as regiões implicam custos elevados para as indústrias diminuindo assim a sua competitividade e limitando o acesso aos mercados regionais de África, de acordo a mesma fonte.

Iniciada quarta-feira última, a reunião dos peritos termina esta sexta-feira.



-0- PANA IT/IS/FK  26março2015

27 Março 2015 07:48:23




xhtml CSS