Partido de oposição sul-africana contra candidatura do Sudão à frente da UA

Joanesburgo- África do Sul (PANA) -- A Aliança Democrática (DA, principal partido da oposição sul-africano) exortou segunda-feira o Governo a fazer tudo para que o Sudão não assuma a presidência rotativa da União Africana (UA) no final da Cimeira de 29 e 30 do Janeiro corrente em Addis Abeba (Etiópia).
A DA lembra que o Sudão foi obrigado, no ano passado, a retirar a sua candidatura à presidência da UA, mas a África do Sul não fez parte dos países que exigiram deste Estado para pôr fim aos abusos dos direitos humanos cometidos em Darfur (sua região ocidental asolada pela guerra) antes de pretender diriger UA.
"Se a África do Sul se abtiver de tomar uma posição sobre a questão, não só vai faltar novamente às suas obrigações do ano passado mas também vai renunciar a usar da sua influência para defender os direitos humanos e a boa governação, declarou num comunicado o porta-voz da DA, Douglas Gibson.
Gibson explicou que, se a UA conseguiu salvar a sua credibilidade com esta iniciativa, a África do Sul "notabilizou-se pela sua ausência no seio dos países que pressionaram o Sudão a fim de retirar a sua candidatura".
Para o porta-voz da DA, a situação em Darfur está à deteriorar-se" enquanto o Sudão continua a recusar o envio da força de manutenção da paz das Nações Unidas para o seu território, aceitando apenas a presença duma força reduzida, sem recursos e, consequentemente, ineficaz da UA autorizada a patrulhar nesta imensa região.
O Sudão está determinado a exercer a presidência da UA, mas a África do Sul deve opor-se a esta tentativa, lê-se no mesmo documento.

22 Janeiro 2007 19:48:00




xhtml CSS