Parlamento europeu critica Itália por recusar acolher barco de migrantes nas suas costas

Bruxelas, Bélgica (PANA) - O Parlamento Europeu qualificou terça-feira de "vergonhosa e escandalosa" a recusa do ministro italiano do Interior, Matteo Salvani, de autorizar o navio humanitário "Aquarius" a acostar nas costas italianas com 629 migrantes africanos a bordo resgatados ao largo das costas líbias no Mar Mediterrâneo.

Numa resolução aprovada no mesmo dia em sessão plenária, os eurodeputados exortam os líderes europeus a darem prova de "vontade política real" a fim de pôr fim aos naufrágios de barcos com migrantes a bordo no Mediterrâneo.

Recordam a este respeito a próxima cimeira europeia prevista para 28 e 29 de junho corrente que se debruçará sobre esta

Pedem aos líderes europeus para aproveitem esta oportunidade com vista a uma revisão dos Regulamentos de Dublin, em virtude dos quais o migrante chegado à Europa deve pedir asilo político no primeiro país onde os seus pés pisarem.

De acordo com a Organização Não Governamental (ONG) humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF), que fretou o navio em apreço, entre os naufragados no Mediterrâneo figuram sete mulheres grávidas africanas, 11 bebés e 130 menores não acompanhados.

Face ao desacordo dos países europeus sobre a política de repartição de quotas migratórias, a Itália enviou seus navios ao Mediterrâneo para onde serão transbordados os 629 migrantes do "Aquarius" a fim de serem encaminhados para o porto espanhol de Valência.

-0- PANA AK/IS/DIM/DD 13junho2018

13 Junho 2018 14:30:38


xhtml CSS