Paludismo mata 4400 pessoas anualmente no Burkina Faso

Ouagadougou, Burkina Faso (PANA) - O paludismo mata, anualmente, cerca de quatro mil e 400 pessoas no Burkina Faso, segundo o Ministério burkinabe da Saúde que sublinha que o país fez enormes progressos na luta contra esta doença nos últimos anos.

"Agora há progressos significativos. Estamos em cerca de quatro mil e 400 mortos anualmente", declarou o ministro da Saúde, Nicolas Meda.

Segundo ele, esta doença fazia perto de 10 mil mortos, nomeadamente entre as crianças, há cerca de 10 anos.

O Presidente burkinabe, Roch Marc Christian Kaboré,  lançou aos seus compatriotas quarta-feira um apelo para a mobilização contra o paludismo para erradicar este flagelo do país até 2030, por ocasião do Dia Mundial contra esta doença.

Segundo as estatísticas, no Burkina Faso, as crianças de menos de cinco anos são as principais vítimas do paludismo, lembrou o Presidente Kaboré, sublinhando que graças aos esforços do seu Governo através da gratuidade dos cuidados para as crianças de menos de cinco anos e a subvenção dos antipalúdicos a doença conheceu um recuo de 50 porcento.

O paludismo constitui a primeira causa de consultas nas formações sanitárias no Burkina Faso.

Segundo o Ministério burkinabe da Saúde, o paludismo constitui 43,38 porcento dos motivos de consultas, 44,63 porcento dos motivos de hospitalização e 21,84 porcento das causas de mortes.

-0- PANA NDT/IS/SOC/MAR/IZ 27abril2018

27 Abril 2018 14:04:11


xhtml CSS