Países pobres acolhem maior número de refugiados, diz ONU

Bruxelas, Bélgica (PANA)   - Os países pobres do mundo acolhem o maior número de refugiados, indica um relatório das Nações Unidas sobre os movimentos das populações enviado  à Comissão Europeia e a que a PANA teve acesso quarta-feira.

Segundo este relatório, durante o primeiro semestre do ano de 2016, pelo menos três milhões e 200 mil pessoas foram obrigadas a abandonar as suas casas, devido à violência e a outras perseguições,  e das quais um milhão e 700 mil foram deslocadas no interior dos seus países, enquanto um milhão e 500 mil foram obrigadas a atravessar a fronteira internacional.

Os países africanos donde parte o maior número de refugiados são o Burundi, a República Centroafricana (RCA), a República Democrática do Congo (RDC), a Eritreia, a Somália, o Sudão e o Sudão do Sul.

A maioria destes refugiados foi acolhida nos países limítrofes que são em geral «  países de rendimento fraco  ou intermédio » , indica o relatório.

Entre os países africanos que acolhem o maior número de refugiados figuram a Etiópia (742 mil), o Quénia (523 mil), o Uganda (512 mil e 600) e o Tchad (386 mil e 100).

O país que recebeu o maior contingente de refugiados no mundo é a Turquia, que acolheu, até ao presente, dois milhões e 800 mil refugiados sírios,  enquanto a Alemanha continua a ser a exceção notável na Europa, depois de oferecer assistência a 478 mil e 600 requerentes de asilo.

O relatório sublinha que, durante o primeiro semestre de 2016, os 10 primeiros países de acolhimento receberam quase 10 milhões de indivíduos, correspondentes a 60 porcento do número total de refugiados que relevam do mandato da ONU.

Para os peritos da ONU, os maiores desafios da crise migratória  relevam do domínio político, sublinhando que a resistência nacionalista no seio dos países ricos constitui um obstáculo considerável ao acolhimento de refugiados.

-0- PANA AK/BEH/IBA/FK/IZ 16março2017

16 Março 2017 07:47:04


xhtml CSS