Painel da UA recomenda abordagem inclusiva em Darfur

Addis Abeba- Etiópia (PANA) -- O painel de alto nível da União Africana sobre Darfur (AUDP) exortou a organização continental a integrar uma abordagem inclusiva nos seus esforços para resolver o conflito no Sudão.
Liderado pelo antigo chefe de Estado da África do Sul, Thabo Mbeki, o AUDP entregou quinta-feira, na capital etíope, o seu relatório ao Presidente da Comissão da União Africana (UA), Jean Ping.
Na ocasião, Mbeki defendeu a necessidade de se tirar lições da experiência dos intervenientes baseados em Darfur, no Sudão, e no resto do mundo para resolver os conflitos nesta região.
Mbeki afirmou que o trabalho efectuado pelo seu painel representa o processo de inclusão mais amplo entre todas as consultas já levadas a cabo para facilitar a resolução do conflito em Darfur.
O relatório do painel deve ser examinado pelo Conselho de Paz e Segurança (CPS) da UA antes de ser apresentado ao Conselho de Segurança da ONU.
O AUPD foi mandatado para examinar detalhadamente a situação em Darfur e fazer recomendações sobre a melhor maneira de combater a impunidade e gerir efectiva e globalmente os problemas de responsabilidade e as questões relativas à paz, à reconciliação e ao restabelecimento dos laços entre as partes em conflito.
Os membros do AUPD foram designados em Julho de 2008 depois duma sessão do Conselho de Paz e Segurança (CPS) sobre a formação do painel.
Esta decisão foi aprovada depois pela 12ª sessão ordinária da Assembleia da União em Fevereiro de 2009.
Além de Thabo Mbeki, os outros membros são Pierre Buyoya, ex- Presidente do Burundi; general Abdulsalami Abubakar, antigo chefe de Estado da Nigéria; Alhaji Kabir, também nigeriano; e A.
Mohammed, ex-conselheiro e antigo enviado especial do antigo Presidente nigeriano Olusegun Obasanjo para o processo dos suspeitos de crimes de guerra e violações dos direitos humanos em Darfur.
Integram ainda o painel Florence Ndepele Mwachande Mumba (Zâmbia), juiz do Tribunal Supremo; Ahmed Maher El Sayed, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros de Egipto e Rakiya Abdillahi Omaar (Somália), directora da African Rights.

09 Outubro 2009 19:32:00




xhtml CSS