PM romeno apela para respeito pelo Estado de direito

Bucareste- Romênia (PANA) -- O primeiro-ministro romeno, Calin Popescu- Tariceanu, declarou quinta-feira em Bucareste, na abertura da XI Cimeira da Organização Internacional da Francofonia (OIF), que o futuro político da comunidade depende inteiramente da maneira como os seus Estados membros saberão respeitar os valores democráticos e o Estado de direito.
"A Romênia apoia com firmeza a maneira como a Francofonia pretende conceder o seu apoio ao processo de transição democrática nos Estados membros que dele precisam", disse o chefe do governo romeno, acrescentando que o seu país está pronto para partilhar a sua experiência democrática com todos os outros países que o desejem em nome da cooperação e solidariedade.
No entanto, prosseguiu, a estabilidade política e o respeito pelos direitos humanos não podem, por si só, garantir o desenvolvimento duradouro se não forem acompanhados e apoiados por uma educação de qualidade para todos os cidadãos.
"Isto de falar do desenvolvimento duradouro das nossas sociedades sem mencionar a educação é sem dúvida um erro", sublinhou o primeiro-ministro romeno, acrescentando existir ainda actualmente quase 800 milhões de anafalbetos no mundo.
Advogou o uso na educação das Tecnologias da Informação e Comunicação que, a seu ver, constituem uma necessidade diária ineluctável, convidando os participantes a tomar consciência das vantagens que as TIC proporcionam às populações mas também dos problemas que elas possam engendrar.
"Estamos conscientes das diferenças existentes entre os nossos países quando se trata do nível de acessibilidade e uso destas tecnologias.
A fractura, que do ponto de vista da tecnologia digital separa o Norte e o Sul, é uma realidade", frisou.
Sublinhando a presença das TIC em todos os domínios da vida social e a sua incontornabilidade, o chefe do governo romeno disse que a alfabetização digital é tão necessária como a clássica.
"Os indivíduos devem ser capazes de usar das Tecnologias da Informação e Comunicação e, ao mesmo tempo, depreender os perigos que possam surgir", indicou Popescu-Tariceanu, apelando à Francofonia para apoiar a acção da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) de criar uma sociedade do saber para todos, permitindo aos seus membros adquirir os conhecimentos.
A Romênia, que acolhe a XI cimeira da OIF, é na Europa Central e Oriental, é o mais importante vector da promoção da língua francesa com 24 universidades membros da Agência Universitária da Francofonia (AUF), 40 mil estudantes romenos francófonos e 14 mil professores de francês.
Ao indicar que a Roménia possui 99 por cento dos alunos que aprendem o francês em escolas, Calin Popescu-Tariceanu apelou à Europa para assumir a sua identidade múltipla, determinada não só pela geografia e pelos valores comuns mas também pela sua dimensão francófona.
"Compete-nos valorizar a dimensão europeia da Francofonia" onde o terço dos 63 membros da União Europeia partilha o uso da língua francesa, exortou Popescu- Tariceanu, sublinhando que o seu país, que vai ingressar na União Europeia a 1 de Janeiro de 2007, "deseja ser um porta-voz da francofonia no seio da UE e, ao mesmo tempo, da Europa no seio da Francofonia".

28 Setembro 2006 21:57:00




xhtml CSS