PAM solicita $ 19 milhões para ajudar vítimas da seca em Moçambique

Maputo- Moçambique (PANA) -- O Programa Alimentar Mundial (PAM) solicitou um apoio urgente de 19 milhões de dólares americanos para operações de socorro, até Março do próximo ano, de 434 mil pessoas afectadas pela seca em Moçambique, anunciou quarta-feira em Maputo a sua directora local Angela Van Rynbach.
A representante do PAM em Moçambique, que falava no lançamento da Semana do Dia Mundial para a Redução de Calamidades que se celebra a 12 de Outubro, disse que aquela agência onusina apenas consegue assistir um terço das pessoas vulneráveis em todo o país.
O PAM opera em 32 distritos de cinco das 11 províncias do país, assistindo  cerca de 130 mil pesssoas com carências alimentares devido à seca que afecta, sobretudo, as regiões sul e centro.
Por seu lado, o director do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) Silvano Langa sublinhou que a situação de estiagem no sul e no centro do país está a agravar-se e o número de afecados poderá atingir as 580 mil pessoas a partir de Novembro próximo.
O director do INGC defendeu a prevenção de calamidades em Moçambique porque anualmente o país é afectado por fenómenos naturais.
Silvano Langa advogou que uma das saídas para esta situação passa pelo investimento na prevenção usando as microfinanças e no apoio a pequenas iniciativas das comunidades locais que contribuirão para a redução das calamidades, que regra geral, atingem populações mais vulneráveis.
Para minorar os efeitos nefastos das calamidades, o director do INGC recomendou a conservação pós-colheita, bem como a captaçao e conservação de água.
As calamidades, cuja tendência mundial está em alta, causam danos materiais, humanos e económicos.
Dados estatísticos indicam que de 1995 a 2004 registaram-se no mundo cinco mil e 980 casos de desastres naturais, dos quais 276 de seca com custos estimados em mais de 738 biliões de dólares americanos, mais de 900 mil mortos e 2,5 biliões de pessoas afectadas.

06 Outubro 2005 09:07:00


xhtml CSS