Os conflitos no Congo não são de origem étnica

Brazzaville- Congo (PANA) -- Os conflitos congoleses não são de origem étnica, mas sim um problema dos líderes e partidos em presença, concluiu-se após uma mini-palestra sobre a análise dos conflitos no Congo, realizada quarta-feira em Brazzaville.
No termo de um debate geral sobre "A pesquisa sobre os conflitos no Congo: Os conflitos armados do Congo são de origem étnica ?", os participantes concluiram que é difícil, hoje no Congo, crer que as diferentes ondas de violência que abalaram o país desde o período da independência até a data presente tenham causas étnicas.
Os participantes notaram ainda que durante os diferentes conflitos registados no Congo, a igreja cristã manifestou sempre uma atitude neutra e, ao mesmo tempo, envolveu-se na busca de soluções em prol da paz.
"A igreja deve engajar-se cada vez mais e não esperar que os conflitos eclodam no país", salientaram.
Os conflitos congoleses afectaram particularmente as mulheres e crianças, pessoas mais vulneráveis, com uma taxa de mortalidade infantil e de violência sexual contra a mulher muito elevada, soube-se ainda neste encontro, que versou também sobre a questão da cumplicidade das milícias e do exército.
A mini-palestra foi organizada pelo Institut Vie et Paix (Instituto Vida e Paz), um centro ecuménico internacional de pesquisa e de acção pela paz, em colaboração com o Departamento de sociologia da Universidade Marien Ngouabi.
Nela participaram nomeadamente representantes das ONG's e das igrejas cristãs no Congo, jornalistas e personalidades independentes cujas reflexões serão incluídas num documento que poderá ser posto a disposição do público.

28 Novembro 2002 16:43:00


xhtml CSS