Organização Mulher África Solidariedade dá prémio de género ao Ruanda

Addis Abeba- Etiópia (PANA) -- O "Gender Awards" (prémio de género), da organização internacional Mulheres, África Solidariedade (FAS), foi atribuído ao Ruanda no fim-de-semana em Addis Abeba por um júri liderado pela presidente do Parlamento Africano (PAP), Gertrude Mongella.
O prémio será entregue em Maio de 2007 em Dakar, a capital senegalesa, ao Presidente Paul Kagamé que será acompanhado por um representante do sector privado que se ilustrou no domínio da promoção do género na sua empresa, soube-se de fonte segura.
Uma delegação da FAS deverá deslocar-se em Fevereiro próximo ao Ruanda para identificar o recipiendário, de acordo com a fonte.
Durante a cerimónia de entrega do troféu em Dakar, indica-se, um envelope, cujo valor não foi revelado, será atribuído a uma organização feminina que trabalhar activamente no domínio da promoção da mulher.
De acordo com a presidente do júri, Mongella, o Ruanda foi premiado em reconhecimento dos seus esforços no domínio do género.
"Em todos os domínios, este país fez esforços para promover as mulheres, nomeadamnete a nível do Parlamento, composto por 48,5 por cento das mulheres", regozijou-se.
As mulheres estão igualmente bem representadas a nível do Governo, mas também na justiça onde representam mais de 34 por cento e na universidade onde a presença delas se faz sentir, indicou.
Mas esta promoção não se limitou simplesmente a nível das cidades, sublinha Mongella, acrescentando que, mesmo nas aldeias, as mulheres organizaram conselhos para participar na tomada de decisão.
"Desde o genocídio de 1994, o Ruanda instaurou mecanismos que permitiram obter estes resultados e a criação de tribunais populares permitiu gerir melhor os direitos das mulheres", revelou a presidente do Parlamento africano.
O Comité de Selecção escolheu quatro países, nomeadamente o Ruanda, a Libéria, o Botswana e a Tunísia, baseando-se nos esforços realizados pelos Estados desde a adopção da declaração solene sobre o género pela União Africana em 2004, disse.
Por sua vez, a presidente da FAS, Bineta Diop, indicou que, antes do Ruanda, a África do Sul e o Senegal eram os dois laureados deste prémio que, a seu ver, constitui um outro meio de promoção da mulher.
"Foi assim que os Presidentes sul-africano Thabo Mbeki e senegalês Abdoulaye Wade levantaram o facho do género, o que permitiu fazer evoluir a causa da mulher", concluiu Diop.

28 Janeiro 2007 12:04:00




xhtml CSS