OIF precisa de secretário-geral africano, diz professor universitário franco-africano

Dakar, Senegal (PANA) - O posto de secretário-geral da Organização Internacional da Francofonia (OIF) deve voltar aos Africanos, confiou à PANA, um professor universitário franco-senegalês, Albert Bourgi.

"Francamente, acho que é preciso um secretário-geral africano. Os africanos são mais numerosos e enfim os mais requerentes da assistência, não é o Canadá", afirmou Bourgi, quando se pronunciava sobre a sucessão de Abdou Diouf, secretário-geral da Organização Internacional da Francofonia (OIF).

"Só vive, respira e funciona pela presença dos africanos francófonos", frisou durante a XV cimeira  da Francofonia decorrida em Dakar, de 29 a 30 de novembro último.

Professor de Relações Internacionais e de Direito Constitucional na Universidade francesa de Reims, Albert Bourgi  diz não ter nenhuma preferência entre os candidatos em competição para substituir Abdou Diouf à frente da organização francófona.

A seu ver, Abdou Diouf assumiu com tal abnegação que não há ninguém que o possa substituir verdadeiramente.

Porém, uma canadiana, Michaelle Jean, foi designada domingo para suceder a Abdou Diouf, para os próximos quatro anos a frente da OIF.

Dos cinco candidatos, quatro são africanos, designadamente Claude de l'Estrac das ilhas Maurícias, Pierre Buyoya do Burundi, Henri Lopes do Congo e Augustin Nze Nfumu da Guiné Equatorial.

-0- PANA KARL/BEH/FK/DD  1dez2014

01 décembre 2014 10:13:34




xhtml CSS