OIF exige restabelecimento da ordem constitucional na Mauritânia

Quebeque- Canadá (PANA) -- A 12ª Cimeira da Organização Internacional da Francofonia (OIF) terminou domingo no Quebeque com a adopção duma declaração que exige o restabelecimento da democracia e da ordem constitucional na Mauritânia.
Na sua declaração de sete páginas, os 30 chefes de Estado e de Governo da comunidade francófona instaram igualmente a "manutenção da solidariedade com a República do Djibuti no conflito fronteiriço que o opõe à Eritreia".
"Exortamos a Eritreia a retirar-se imediata e incondicionalmente dos territórios djibutianos que ela ocupa.
Desejamos igualmente a continuação do processo de libertação dos prisioneiros de guerra", prossegue o documento.
No capítulo económico, a OIF promete acções para ajudar a resolver a crise financeira.
"Persuadidos de que nenhum país está ao abrigo do problema que afecta os mercados mundiais do crédito e que as turbulências que assolam os nossos mercados pedem uma intervenção coordenada, comprometemos-nos a manifestar a nossa solidariedade na crise financeira actual", sublinha a Declaração de Quebeque.
Os chefes de Estado e de Governo presentes em Quebeque comprometeram- se igualmente a "participar activamente no reforço do sistema financeiro internacional para o tornar mais coerente e apoiar uma reforma que visa a transparência, a solidariede bancária, a integridade e a melhoria da governação económica mundial".
Relativament à Língua Francesa, que foi objecto duma mesa-redonda específica, os chefes de Estado e de Governo decidiram reforçar a sua posição nos sistemas educativos ao desenvolver um ensino público e privado de qualidade e tendo em consideração a repartição das competências no seio dos Estados neste domínio.
"Engajamos-nos a tomar a medidas necessárias para a aplicação efectiva das disposições nacionais e internacionais relativas à utilização do francês na vida internacional", sublinha a declaração dos chefes de Estado.
"Comprometemos-nos a tomar medidas adaptadas aos nossos meios respectivos para valorizar o estatuto e a utilização da Língua Francesa, língua viva e útil nos domínios económico, social, cultural, turístico e científico das nossas sociedades", prossegue o documento.
Os chefes de Estado e de Governo decidiram realizar a próxima Cimeira da Francofonia em 2010 em Madagáscar em detrimento da República Democrática do Congo, cuja candidatura foi fragilizada pela ausência do Presidente Joseph Kabila no Quebeque.

20 Outubro 2008 10:11:00




xhtml CSS