Oficial nigeriano raptado em Darfur

Nova Iorque- Estados Unidos (PANA) -- O tenente-coronel nigeriano Rak Adeniyi foi raptado no fim-de-semana passado na província ocidental sudanesa de Darfur assolada por uma guerra civil, anunciou segunda- feira uma fonte da Missão da União Africana no Sudão (AMIS).
A fonte, que trabalha no mesmo gabinete que Adeniyi, assistente militar do comandante adjunto da AMIS, precisou numa mensagem electrónica que o oficial nigeriano foi raptado domingo à noite.
As tentativas de entrar em contacto com responsáveis da AMIS continuam infrutíferos, mas várias informações anunciam a abertura de um inquérito sobre este caso.
A AMIS e as missões humanitárias das Nações Unidas em Darfur denunciaram nos últimos dias uma nova escalada da violência nesta província, suscitando interrogações sobre a segurança com consequências graves nos Estados vizinhos, sobretudo no Tchad e na República Centro-Africana.
"Massacres, casos de violações sexuais e outras graves violações dos direitos humanos foram assinalados nos últimos dias", indicou numa conversa telefónica uma fonte da missão onusina nesta localidade.
Entretanto, foi anunciado o julgamento em breve das pessoas inculpadas por crimes de guerra em Darfur pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) com o início do procedimento judicial.
Vanessa Haas, assistente no Gabinete do procurador do TPI Luis Ocampo declarou que o seu responsável informará quinta-feira próxima o Conselho de Segurança da ONU sobre a decisão do tribunal de intentar um processo contra alguns suspeitos.
Os suspeitos cujos nomes não foram revelados são acusados de tortura, violações sexuais e mortes.
O Governo sudanês rejeitou o princípio de envio de uma força mista ONU-UA a Darfur, considerando que a situação no país não necessita uma tal presença militar e que o balanço de 200 mil mortos em três anos de conflito relatado pelas agências das Nações Unidas nesta localidade era exagerado.

12 Dezembro 2006 11:20:00




xhtml CSS