ONU respeita decisão da UA de designar Mugabe como seu presidente exercício

Addis Abeba, Etiópia (PANA) – O Secretário-Geral (SG) da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-Moon, declarou sábado na capital etíope, respeitar a decisão dos dirigentes africanos designar sexta-feira última o chefe de Estado zimbabweano, Robert Mugabe, como presidente em exercício da União Africana (UA) para um mandato de um ano.

Ban Ki-moon fez esta declaração durante uma conferência de imprensa organizada na sede da UA em Addis Abeba, à margem da Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo africanos.

«É o que os Estados membros da UA dediciram. Respeito o desejo e a decisão da UA. E estou disposto a cooperar com as autoridades da UA », disse o SG da ONU.

Mugabe foi designado a 30 de janeiro à frente da presidência rotativa da UA pelos seus pares e, assim sendo, assistirá a todas as reuniões internacionais, nomeadamente a Assembleia Geral da ONU.

O diplomata sul-coreano ao serviço da ONU exprimiu-se igualmente sobre diversos desafios sociais e de segurança de África nos últimos anos, nomeadamente a epidemia de Ébola na África Ocidental e a violência perpetrada pela seita islamita nigeriana Boko Haram.

« Estou satisfeito com o trabalho que fizemos juntos para combater Ébola », disse Ki-moon à imprensa realçando o papel grandioso que a UA desempenhou para mobilizar os seus Estados membros no quadro da sua missão de luta contra a patologia.

Embora haja progressos na luta contra Ébola, Ban defendeu a continuação da colaboração para a erradicação desta epidemia nos países afetados.

A seu ver, "a epidemia está longe de terminar, mas invertemos a tendência. Devemos continuar a mesma solidariedade até que Ébola seja eliminada de todos estes países".

Sábado último, o SG da ONU disse que se exige uma ação internacional contra o grupo de insurgentes de Boko Haram que exerce a sua influência nas cidades do norte da Nigéria e nos países vizinhos.

«Boko Haram exige uma ação mais forte e mais coordenada de todos nós », considerou Ki-moon acrescentando que a ONU apoia a decisão da UA de criar uma força especial multinacional para tal.

« Devemos conter o avanço deste grupo terrorista. Peço que atores internacionais e regionais ataquem estes terroristas", martelou o patrão da ONU afirmando finalmente a disposição da sua instituição a cooperar com a UA contra Boko Haram.

Porém, sublinhou que as medidas contra estes insurgentes não devem limitar-se a ações militares mas que « devemos buscar também as causas profundas duma tal violência ».

-0- PANA OR/VAO/NFB/IS/SOC/MAR/DD 02fev2015

02 Fevereiro 2015 09:51:50




xhtml CSS