ONU preocupada com destruição de alojamentos de deslocados na Somália

Mogadíscio, Somália (PANA)   - Um alto responsável das Nações Unidas na Somália declarou-se fortemente preocupado com informações sobre a destruição improvisada de alojamentos para  deslocados internos e de infraestruturas humanitárias em Mogadíscio.

« Estou muito triste por saber destes desalojamentos sem aviso prévio dos deslocados internos na província de Banadir », indignou-se Peter de Clercq, representante especial adjunto do Secretário-Geral (SG) da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Somália, num comunicado publicado terça-feira última.

« Algumas pessoas deslocadas percorreram longas distâncias em diferentes zonas do país para fugir da seca e de conflitos », prosseguiu o responsável onusino, sublinhando que, de 29 a 30 de dezembro último, mais de 23 instalações destinadas aos deslocados estimados em mais de quatro mil famílias, foram destruídas.

O também coordenador humanitário da ONU para a Somália acrescentou que bens pessoais e meios de subsistência foram igualmente danificados e as vítimas não tiveram tempo de fazer as suas bagagens.

«As famílias, das quais várias crianças, mulheres e pessoas idosas, vivem doravante ao ar livre », lamentou.

Disse que, enquanto contactava autoridades competentes da Somália para se encontrar uma solução para novos deslocados, agentes humanitários mobilizaram igualmente recursos para dar uma ajuda vital às pessoas afetadas.

« Estou igualmente a recear que, num contexto em que cada se esforça para melhorar as condições de vida dos somalis, sejam vandalizadas instalações humanitárias e de desenvolvimento, incluindo escolas, latrinas, poços de água, centros de saneamento, abrigos e outras infraestruturas generosamente financiadas por doadores », declarou de Clercq.

Em todo o território somalí, referiu-se, mais de dois milhões de pessoas estão atualmente deslocadas devido à seca e a conflitos, dos quais um milhão são novas, só durante o ano de 2017, ou seja um terço dos seis milhões 200 mil pessoas carentes duma ajuda humanitária.

« Insto todas as partes a protegerem e ajudarem todas as populações civis que tenham fugido dos conflitos e da seca e que, por isso já tenham sofrido bastante. Os humanitários estão prontos para cooperar com as autoridades para lhes dar ajuda », insistiu de Clercq.

Informou ainda que as taxas de desnutrição no local aumentaram rapidamente atingindo um limiar de emergência em várias zonas, em particular entre os deslocados.

Os deslocados não têm acesso a víveres, a abrigos e a serviços básicos, o que os expõe a riscos sérios como agressões físicas, atos de violência contra mulheres e restrições no deslocamento, de acordo com o responsável.

-0- PANA MA/FJG/JSG/SOC/FK/DD 4jan2018

04 janvier 2018 11:56:35




xhtml CSS