ONU financia projecto de exploração de terras áridas no Quénia

Nairobi- Quénia (PANA) -- O Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA) lançou através da sua Facilidade Global para o Ambiente (GEF) um projecto de exploração e conservação da natureza num dos distritos áridos e semi-áridos do Quénia.
O projecto piloto de adaptação à mudança climática de Makueni, no leste do Quénia, estimado em 730 mil dólares americanos, deverá ajudar o distrito a romper com o ciclo recorrente das fomes e a fazer face às condições de mudança climatícas, anunciaram domingo os responsáveis deste programa.
Este programa constitui uma junção entre a GEF e o Centro das Iniciativas Científicas e Tecnológicas da Universidade de Nairobi.
De acordo com um professor da Universidade de Nairobi e membro deste projecto, Daniel Olago, a incapacidade das comunidades de mudar os seus meios de subsistência para se adaptar à mudança climática poderá ter repercussões catastróficas, daí a necessidade de tomar medidas de intervenção de emergência.
O projecto deverá formar os fazendeiros na agricultura em zona árida, nas técnicas de recolha da água e nas culturas torelantes tais como o milho, o sorgo, entre outros, para diversificar a produção alimentar, acrescentou Olago.
Olago emitiu a esperança de que este projecto piloto servirá de exemplo nos domínios de exploração das terras áridas, de gestão das mudanças climáticas e poderá ser reproduzido no resto do Mundo.
Ele indicou que os decisores políticos e os planificadores devem priorizar mudanças climáticas na formulação das políticas em todos sectores para favorecer o desenvolvimento sustentável.
O responsável do Projecto GEF, David Moindi, declarou à PANA em Nairobi que o projecto queniano fazia parte dos três projectos que a organização financiava com um montantre de dois milhões 300 mil dólares americanos.
Os outros programas foram implementados em Moçambique e no Ruanda.

20 Novembro 2006 18:21:00


xhtml CSS