ONG realiza missão de solidariedade junto de mulheres do Zimbabwe

Dakar- Senegal (PANA) -- A Organização não Governamental "Femmes Africa Solidariedade (FAS)" decidiu enviar em finais de Julho uma missão de solidariedade composta por todas as suas associações membros em África junto das mulheres do Zimbabwe, anunciou terça- feira à noite em Dakar a sua directora executiva, Bineta Diop.
A directora da FAS falava na abertura duma sessão de formação de três dias destinada a parlamentares e personalidades da sociedade civil da República Democrática do Congo.
A decisão do envio desta missão, de acordo com Diop, foi tomada na semana passada em Charm el-Cheikh, no Egipto, na 12ª reunião consultiva sobre a integração do género na União Africana organizada pela rede da campanha "Género: Minha Agenda", composta por cerca de 40 organizações da sociedade civil.
O objectivo da missão é abordar com as diferentes partes o problema do Zimbabwe com vista a contribuir para a protecção dos direitos da mulher e para o regresso da paz e da estabilidade neste país da África Austral.
A FAS já levou a cabo acções similares em Darfur (oeste do Sudão), na Libéria, na RDC e na Serra Leoa, precisou Diop.
O encontro aberto terça-feira em Dakar pela ministra senegalesa da Família, Empresariado Feminino e Microfinança, Awa Ndiaye, decorre durante dois dias sob o tema "Género, Direitos Humanos e Governação".
Uma delegação de 30 pessoas da República Democrática do Congo, composta por parlamentares e por membros da sociedade civil congolesa, conduzida pela secretária-geral do Ministério congolês do Género, Família e Criança, Jacqueline Lufulo, e pela presidente da rede dos parlamentares "Género e Paridade", participa nesta sessão de formação.
O seminário visa reforçar capacidades dos decisores da RDC a todos os níveis no domínio do género, do respeito dos direitos humanos e particularmente dos direitos das mulheres e a sua participação efectiva na governação política, democrática e económica.
Esta sessão de formação entra no quadro da execução dum projecto de reconstrução pós-conflito que toma em conta a igualdade de género na criação de instituições democráticas na RDC, país vítima de confrontos e traumatismo da guerra civil que fez mais de quatro milhões de mortos, três milhões e 400 mil deslocados e 430 e 625 refugiados confrontados com a doença e a desnutrição, de acordo com estimativas da Femmes Africa Solidarité.
As mulheres africanas pediram aos chefes de Estado africanos, na Cimeira da União Africana de Charm el-Cheikh, um apoio para a instauração dum centro panafricano para a formação em género e desenvolvimento.

09 Julho 2008 11:39:00


xhtml CSS