OGDH apoia ideia de força de interposição na Guiné-Conakry

Conakry- Guiné-Conakry (PANA) -- O presidente da Organização Guineense dos Direitos Humanos (OGDH), Thierno Maadjou Sow, considera necessário o desdobramento duma força de interposição na Guiné- Conakry.
Reagindo à sugestão do Grupo Internacional de Contacto sobre a Guiné-Conakry (GIC) para uma força de interposição na Guiné- Conakry, Thierno Maadjou Sow indicou, numa entrevista à PANA, que atrocidades graves continuam a ser perpetradas contra civis e militares detidos e internados nos quartéis militares.
"O terror afecta todo o mundo em Conakry.
As pessoas são detidas e torturadas sem razão.
Se nos deixarem entre as mãos destes militares, as consequências serão muito mais graves", afirmou o presidente da OGDH, para justificar a proposta do GIC, que esteve reunido na sua nona sessão domingo em Ouagadougou (Burkina Faso).
Lembre-se que o Presidente interino do Conselho Nacional para a Democracia e Desenvolvimento (CNDD), general Sékouba Konaté, efectuou na semana passada visitas a todas as guarnições da capital onde ele advertiu os militares contra exacções contra a população civil.
O GIC, criado em Janeiro último por iniciativa do presidente da Comissão da União Africana (UA), Jean Ping, exortou várias vezes o líder da Junta militar, capitão Moussa Dadis Camara, a organizar o mais cedo possível eleições transparentes e credíveis, sem que nenhum membro do CNDD ou do Governo se candidate às consultas eleitorais previstas para Janeiro de 2010.

15 Dezembro 2009 11:48:00


xhtml CSS