Nova rutura de antirretrovirais no Congo

Brazzaville, Congo (PANA) – A Rede Nacional das Associações dos Seropositivos do Congo e atores envolvidos na luta contra a SIDA, confusos face às ruturas constantes e à disfunção constatadas há vários meses no fornecimento de antirretrovirais (AVR), exprimiram terça-feira o seu descontentamento à Primeira Dama congolesa, Antoinette Sassou-Nguesso.

A rede julga catastrófica a situação dos doentes da SIDA, enquanto biliões de francos CFA são gastos pelo Estado e solicitiou a intervenção da Primeira Dama para que uma solução seja rapidamente encontrada, devido ao número de mortos registados ou a falta de acesso às terapias antirretrovirais.

« A situação está muito grave. Esta questão começa a incomodar os doentes pois há  muitas ruturas e vários doentes mudaram o tratamento. É preciso rever toda a cadeia de gestão dos medicamentos”, indignou-se Bernard Diafouka, padre e ator da luta contra a SIDA.

Visivelmente comovida, Antoinette Sassou-Nguesso, na sua qualidade de presidente nacional da Organização das Primeiras Damas de África contra a SIDA, tomou nota de todas estas queixas, garantindo que uma solução será encontrada.

Segundo as estatísticas oficiais, o Congo possui 38 mil e 500 seropositivos, dos quais 17 mil e 234 sob tratamento antirretroviral e tratados em 57 das 77 zonas previstas para o efeito.

-0- PANA MB/JSG/IBA/FK/DD  27nov2013

27 novembre 2013 15:36:35


xhtml CSS