Nigéria confirma próxima retirada da zona do lago Chade

Yaoundé- Camarões (PANA) -- A Nigéria comprometeu-se em concluir a retirada da sua administração e das suas forças militares e policiais da região do lago Chade antes do fim deste ano, soube- se quarta-feira em Yaoundé, no final dos trabalhos da 5ª sessão da Comissão mista Camarões-Nigéria.
Esta, recorda-se, tem por missão implementar a sentença do Tribunal Internacional de Justiça (TIJ) sobre o conflito fronteiriço entre os dois países, proferida a 10 de Outubro de 2002.
No final da reunião de dois dias (5-6 de Agosto), o representante especial do secretário geral da ONU, Ahmedou Ould Abdallah, e os dois chefes de delegação, Prince Bola Ajibola, para a Nigéria, e Amadou Ali, para os Camarões, deram uma conferência de imprensa conjunta.
Na conferência, Bola Ajibola indicou que a demarcação da fronteira era prioritária, pois "vai permitir determinar com exatidão" as zonas ocupadas e, por fim, prever a retirada.
Os trabalhos de demarcação da fronteira entre os dois países vão iniciar-se na zona do lago Chade.
O orçamento da operação estima-se em cerca de 12 milhões de dólares americanos e só 2,5 milhões de dólares representando a contribuição paritária dos Camarões e da Nigéria, estão disponíveis.
O conflito fronteriço sobre o lago Chade nasceu depois que o caudal secou.
O lago Chade que cobria uma supérficie de cerca de 20.
000 km2 está hoje reduzido a 2.
500 km2.
Além da demarcação da fronteira nesta zona, foi decidido reactivar a comissão da bacia do lago Chade cujo principal projecto é a transferência das águas do rio Oubangui, na bacia do Congo, em direcção ao lago chade.
O próximo encontro da Comissão mista está marcado para o início do mês de Outubro na Nigéria.

07 Agosto 2003 21:50:00


xhtml CSS