Mundo será melhor se for dirigido por mulheres, segundo diplomata tanzaniana

Dakar, Senegal (PANA) – "Se as mulheres tivessem o poder, o mundo seria melhor dirigido", declarou sexta-feira em Dakar a presidente do júri do African Gender Award (Prémio Africano de Exelência a favor do género), Gertrude Mongella.

Falando durante a entrega deste prémio edição 2011 à Presidente liberiana, Ellen Johnson Sirleaf, sexta-feira à noite em Dakar, Mongella indicou que "o caminho é ainda longo para mudar as mentalidades,  mas a paridade nunca será completa sem a criação de algumas condições".

Segundo ela, precisa-se de comités de líderes cujas capacidades sejam reforçadas.

Ela sublinhou, por outro lado, que não haverá paridade sem a paz.

"Sem esta paz, África nunca estará tranquila, pois quando estamos confrontados com as bombas e outras formas de armas que destroem tudo na sua passagem, já não nos preocuparemos com a paridade, mas pelo contrário com a sobrevivência e o desenvolvimento", indicou.

Segundo ela, para se conseguir a paridade, são precisas uma boa liderança, a paz, a mobilização das mulheres e um poder político competente.

Gertrude Mongella homenageou igualmente a laureada do Prémio Africano de Excelência a favor do Género edição 2011, Ellen Johnson Sirleaf, Presidente da Libéria.

"Celebramos uma mulher sólida, que fez da democracia o seu combate", disse a também ex-presidente o Parlamento Pan-Africano (de 2004 a 2008), aludindo assim a Ellen Johnson-Sirleaf.

O galardão foi atribuído pelo Centro Pan-africano para o Género, a Paz e o Desenvolvimento (PAC) à margem da 4ª Conferência Internacional sobre a Paridade, organizada sexta-feira e sábado na capital seenegalesa.

-0- PANA SIL/JSG/CJB/DD   18junho2011

18 Junho 2011 15:42:50


xhtml CSS