Mulheres vítimas de violências têm centro de escuta a seu favor na Mauritânia

Nouakchott, Mauritânia (PANA) – Um centro de escuta para o "seguimento jurídico, judiciário e social das mulheres vítimas de violências" acaba de ser aberto pela Associação Mauritana dos Direitos Humanos (AMDH),  anuncia um comunicado desta referida instituição divulgado segunda-feira em Nouakchott.

Outras organizações mauritanas, SOS Esclaves e a Associação das Mulheres chefes de famílias (AFCF), associaram-se à implementação do programa global "Formar e Agir na Mauritânia (FAM)" que visa o reforço da Sociedade Civil e a Defesa dos direitos das mulheres.

O objetivo da nova estrutura é dar assistência jurídica, judiciária, médica e psicológica a numerosas mulheres vítimas de violência doméstica e de outras formas de maus-tratos.

O centro foi realizado graças a um apoio financeiro da União Europeia (UE) e ao apoio técnico de Agir Juntos para os Direitos Humanos (AEDH), uma Organização Nao Governamental (ONG) francesa.

O centro dispõe de serviços dum advogado e de um médico e vai formar agentes de terreno em "estratégias de resolução de conflitos familiais".

O contexto de evolução do Género na Mauritânia continua marcado por um ambiente difícil a nível político, económico, social, familial e pessoal, com uma carga da tradição, fortes discriminações" e a violência no dia-a-dia, recorda AMDH para justificar a criação do centro de escuta.

-0- PANA SAS/TBM/IBA/CJB/DD  24jan2011

24 Janeiro 2011 20:51:00




xhtml CSS