Mulheres chamadas a participar na resolução de crises em África

Dakar- Senegal (PANA) -- A presidente do Parlamento Panafricano, a tanzaniana Gertrude Mongella, defendeu domingo em Dakar o envolvimento das mulheres africanas na resolução de conflitos que minam o continente.
Intervindo na véspera da abertura oficial do primeiro fórum africano sobre o género, previsto para 1 a 2 de Maio na capital senegalesa, Mongella declarou que, graças ao envolvimento das mulheres africanas, o conflito entre a Eritreia e a Etiópia foi resolvido.
"Devemos lutar para resolver estes conflitos no nosso continente.
Preciso do vosso apoio porque África precisa de ter uma só voz.
Devemos então actuar para sermos mais concretas e mais credíveis nas nossas acções", insistiu.
A presidente do Parlamento Panafricano sublinhou a necessidade de se solidarizar com as mulheres afectadas em diferentes conflitos prevalecentes no continente.
"A Organização da Unidade Africana (OUA) era uma instância masculina.
Mas a União Africana é mais feminina.
Estamos pois a construir, através desta concertação, uma real solidariedade entre as mulheres africanas".
Dertrude Mongella estimou ser tempo de partilhar experiências com as mulheres das outras regiões do mundo, nomeadamente as da Ásia, da Europa e da América.
O fórum africano sobre o género, com o tema "Diálogo com as mulheres árabes sobre questões económicas e políticas", culminará na entrega do prémio de excelência aos Presidentes Abdoulaye Wade do Senegal e Thabo Mbeki da África do Sul, em reconhecimento do seu empenho na promoção do género nos seus respectivos países e em África em geral.

01 Maio 2005 13:36:00


xhtml CSS