Muitas crianças violadas em Darfur, segundo UNICEF

  Addis Abeba- Etiópia (PANA) -- Um grande número de crianças deslocadas pelo conflito da região oeste-sudanesa de Darfur foram vítimas de violações ou testemunhas de actos violentos, afirmou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), em Addis-Abeba.
Durante entrevistas levadas a cabo nos campos de civis deslocados no interior do Sudão, bem como nos campos de refugiados sudaneses no Tchad, os trabalhadores das Nações Unidas e ONG indicam que, com uma regularidade perturbadora, as crianças contaram terem abandonado as suas aldeias para salvarem as suas vidas após terem assistido à morte ou violação dos seus pais, irmãos, irmãs ou vizinhos.
O director de operações de urgência do UNICEF, Dan Toole, recentemente regressado de Darfur e dos campos de refugiados do Tchad, sublinhou que era difícil obter provas irrefutáveis nesse contexo, mas que os testemunhos anedóticos dados pelas crianças mostram a amplitude do fenómeno.
"Discuti com várias crianças que me contaram simplesmente o que viram.
Crianças mortas a tiro, pais mortos nos campos, mães violadas, casas incendiadas, animais massacrados e pessoas forçadas a fugir para salvarem as suas vidas", contou Toole.
Pelo menos, disse, 500 mil crianças fazem parte das que fugiram, o "que mostra a amplitude deste desastre para estas crianças".
Os testemunhos mais eloquentes estavam gravados em desenhos feitos por crianças nos centros de assistência que o UNICEF abriu em Darfur, disse.
   As crianças foram encorajadas a desenhar e contar as suas experiências, um modo de dissipar o choque, sublinha o UNICEF num relatório publicado em Addis-Abeba.
Num desenho típico feito por uma rapariga de 11 anos que deixou  a sua aldeia, descreve-se corpos jazendo sobre sangue no solo e um sol vermelho ao lado de um homem com um fuzil sentado sobre as costas de um camelo.
Apontando com o dedo os corpos no seu desenho, a rapariga cita os nomes dos seus pais.
De acordo com o UNICEF, os centros de actividade e o relançamento rápido da escolaridade são pilares importantes no quadro dos esforços para restabelecer um semblante de estabilidade para estas crianças desenraizadas pela guerra.
Estas últimas semanas, o UNICEF construiu dezenas de centros de assistência e salas de aulas que acolhem cerca de 32 mil alunos, um número que poderá aumentar até 60 mil até Setembro, indica-se.

04 Julho 2004 18:00:00




xhtml CSS