Mugabe rejeita proposta de Wade de mediação de crise pela UA

Harare- Zimbabwe (PANA) -- O Presidente senegalês, Abdoulaye Wade, deixou Harare quinta-feira após uma visita de dois dias no termo da qual a sua proposta para uma implicação mais larga da União Africana (UA) na resolução das crises económica e política prevalecentes no Zimbabwe foi rejeitada pelo seu homólogo Robert Mugabe.
Para aliviar os sofrimentos no país, o Presidente Wade propôs quarta- feira a criação duma equipa integrada por líderes de cinco países que estariam encarregues de desempenhar o papel de medianeiros entre a Grã-Bretanha e o Zimbabwe e entre o Governo zimbabweano e a oposição.
Explicou que a crise era muito profunda para que o medianeiro actual, o Presidente sul-africano Thabo Mbeki, possa resolvê-la sozinho, uma constatação que lhe levou a fazer a sua proposta de criação duma nova equipa de mediadores composta por líderes de cinco países africanos, entre os quais o chefe de Estado sul-africano.
Para Wade, este grupo seria colocado sob a égide da União Africana e deveria ser mais eficaz na abordagem da crise do que Thabo Mbeki, cuja acção é colocada sob os auspícios da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).
Mugabe afirmou, todavia, que a mediação da SADC, que implica o Governo e a oposição, é suficiente, criticando qualquer tentativa de lançar "iniciativas paralelas que não trarão grandes resultados".
Desde a sua criação, a SADC deu um carácter prioritário ao papel dos programas regionais.
Este ano, por ocasião da sua Cimeira Extraordinária dos Chefes de Estado e de Governo a 29 de Março em Dar-es-Salaam (Tanzânia), os líderes da SADC conceberam uma iniciativa regional com vista a encontrar uma solução para os "problemas políticos e económicos provocados por elementos externos com quais o Zimbabwe está confrontado".
"É deplorável notar que os nossos detractores e inimigos não estão satisfeitos com estes desenvolvimentos positivos.
Estas forças negativas passam noites em claro para tentar encontrar os meios de sabotar estes processos políticos e económicos, por exemplo introduzindo iniciativas paralelas que não trazem grandes resultados", declarou Mugabe.
O Presidente senegalês explicou que veio ao Zimbabwe para avaliar a crise e dar a sua ajuda a uma mediação para instaurar a paz entre a Grã-Bretanha e o Zimbabwe.
O Zimbabwe e a sua ex-potência colonial têm profundas divergências sobre questões relativas à propriedade fundiária e aos direitos humanos.

30 Novembro 2007 10:37:00




xhtml CSS