Ministro líbio reafirma posição de África sobre reforma da ONU

Addis Abeba- Etiópia (PANA) -- O ministro líbio dos Negócios Estrangeiros, Ali Triki, anunciou sexta-feira em Addis Abeba, a capital etíope, que enquanto se espera a reforma da Organização das Nações Unidas (ONU), África exige primeiramente um assento de membro permanente no Conselho de Segurança (CS), soube a PANA no local.
O responsável líbio, que falava no termo de uma reunião do "Comité dos 10" sobre a reforma da ONU e das suas instituições no qual participou o Presidente líbio, Muamar Kadafi, indicou que África mantém a sua posição sobre as decisões da Cimeira de Sirtes (centro da Líbia), sublinhando que os direitos do continente são lesados no seio do sistema onusino.
Numa resolução sobre a reforma do sistema da ONU, a 5ª cimeira da União Africana (UA) realizada em Julho de 2005 em Sirtes, solicitou a atribuição à África de dois lugares de membro permanente com todos os privilégios, dos quais o direito de veto no Conselho de Segurança e cinco assentos não permanentes no seio desta instância.
Triki acrescentou que África é favorável a estas decisões e que os seus representantes junto das Nações Unidas negociarão na base destas resoluções.
O Comité dos 10 sobre a reforma da ONU e das suas instituições reagrupa a Líbia, a Argélia, o Senegal, o Congo, o Uganda, a Guiné-Equatorial, a Zâmbia, o Quénia, a Namíbia e a Serra Leoa.

01 Fevereiro 2008 20:45:00




xhtml CSS