Ministro belga diz-se chocado face à morte de vários refugiados burundeses na RD Congo

Bruxelas, Bélgica (PANA) - O ministro belga dos Negócios Estrangeiros, Didier Reynders, disse-se chocado face ao número elevado de mortos durante um violento confronto entre refugiados burundeses e elementos das forças da ordem da RD Congo em Kamanyola (leste).

Num comunicado divulgado segunda-feira, Reynders frisou que este confronto, ocorrido sexta-feira última, não longe duma base da Missão das Nações Unidas na RD Congo (MONUSCO), ceifou a vida de 36 refugiados burundeses e dum soldado congolês.

O chefe da diplomacia belga sublinhou "a importância do respeito pelas regras internacionais" no uso da força pelos serviços de segurança, apelando à abertura dum inquérito internacional independente para lançar luz sobre estes confrontos mortíferos para que os autores sejam julgados diante da justiça.

Didier Reynders, que rumava para Nova Iorque com vista a assistir à 72ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), comprometeu-se a evocar o assunto durante encontros com a delegação da RD Congo a este encontro internacional.

O número de refugiados burundeses na RD Congo não deixa de aumentar depois de atos de  violência que decorrem no Burundi na sequência das eleições controversas do atual Presidente da República, Pierre Nkurunziza, para um terceiro mandato, em violação dos Acordos de Arusha.

A situação é muito singular entre os três países dos Grandes Lagos, designadamente a RD Congo, o Rwanda e o Burundi, onde refugiados dum país encontram-se no outro de maneira contínua.

-0- PANA AK/JSG/MAR/DD 19set2017

19 Setembro 2017 10:27:48


xhtml CSS