Milícia antibalaka declara fim da revolta na RCA

Addis-Abeba, Etiópia (PANA) – A União Africana (UA) anunciou quinta-feira que a milícia antibalaka da República Centroafricana (RCA), que se tornou mais violenta  após a ascensão ao poder do Presidente Michel Djotodja, declarou a sua dissolução imediata.

Segundo a UA,  os responsáveis antibalaka iniciaram igualmente o desarmamento voluntário da milícia com a desmobilização inicial de 200 insurretos,  que deixaram o bairro PK11 da capital, Bangui, a bordo de camiões para ir reencontrar-se com as suas famílias.

Esta decisão dos antibalaka coincidiu com o lançamento pelo Governo interino da Presidente Catherine Samba-Panza de uma campanha nacional de mobilização para a paz num país abalado por lutas intestinas desde o ano passado.

Os líderes dos antibalaka, Brice Emotion Namsio, Sébastien Wenezoui e o capitão Gilbert Kamezou-lai, que operavam sobretudo clandestinamente até ao presente, anunciaram a dissolução do grupo quinta-feira e encontraram-se com os combatentes de rua do grupo.

Os rebeldes pediram aos seus apoiantes para respeitar a minoria muçulmana e permitir os seus membros deslocar-se livremente no país.

Segundo a UA, os responsáveis da milícia pediram igualmente perdão à população centroafricana pelas atrocidades cometidas pelo grupo no país.

Estes últimos acontecimentos seguem-se à assinatura, em Brazzaville, de um acordo de paz a 23 de julho último, que fixou um novo roteiro de paz no país.

A Presidente Samba-Panza pediu aos rebeldes que abandonassem as suas exigências de uma divisão do país, insistindo no facto de que o país é indivisível e deve continuar unido.

Ela defendeu que o Acordo de Paz de Brazzaville constitui uma fase decisiva para a paz no país.

Os rebeldes deverão juntar-se às negociações em Bangui  para instalar uma estratégia de reconciliação nacional e permitir que o Governo interino convoque « consultas alargadas ».

No entanto, os analistas insistem no facto de que a crise na RCA está longe de ser resolvida, apesar das declarações das milícias na negociação do Acordo de Brazzaville.

As diversas fações estão a  controlar partes do país e houve intensos confrontos após a assinatura do Acordo de Brazzaville.

O comissário da UA para a Paz e Segurança, Smail Chergui, declarou que os que perpetravam  ataques unilaterais eram indivíduos membros de grupos de milicianos e insistiu no facto de que o acordo é um « bom início », ainda que os rebeldes continuem divididos.

Antes, o primeiro-ministro centroafricano, André Nzapayeke, pediu o levantamento do embargo militar sobre o país para permitir ao Governo armar as suas forças de segurança e garantir a segurança para as eleições de 2015.

A UA parece não estar muito entusiasmada por esta proposta, afirmando que o Conselho de Segurança das Nações  Unidas, que impôs o embargo em causa, só o levantará se achar que algumas condições estão reunidas.

A RCA está em crise desde março de 2013, quando os rebeldes cercaram a capital, Bangui, e destituíram o Presidente François Bozizé.

Após a tomada do poder pelos rebeldes da coligação Séléka, estes contribuíram  para o desabamento dum Estado frágil por uma série de ações, a pior sendo os ataques contra os cristãos na província do noroeste de Bozizé e contra os seus apoiantes.

A milícia cristã dos antibalaka mobilizou-se então e começou a atacar os muçulmanos, levando igualmente os civis atacarem-se uns contra outros,  o que culminou na anarquia, enquanto o Governo de Transição nomeado em 2014 não tem estado à altura de controlar esta crise interna.

-0- PANA AO/SEG/FJG/JSG/IBA/FK/IZ  01ago2014

01 Agosto 2014 08:24:04




xhtml CSS