Médica e irmã detidas por suposta implicação em atentado contra Embaixada do Níger no Cairo

Cairo, Egito (PANA) - O Ministério Público no Egito exigiu a detenção novamente duma médica e da sua irmã farmacêutica como supostas membros do grupo que executou um atentado em julho passado contra a Embaixada do Níger no Cairo, soube-se de fonte judicial.

As duas irmãs estão detidas por 15 dias para inquérito sobre a sua presumível aderência à organização terrorista Daech (Estado Islâmico) e suposta participação no ataque perpetrado contra a Embaixada do Níger em Djiza, no Cairo, fazendo três mortos, precisou a mesma fonte.

Segundo um inquérito preliminar do Ministério Público, as duas acusadas tiveram contactos com o chefe do grupo terrorista, Moujdi al-Bayoumi, morto pelos serviços da segurança egípcia.

Al-Bayoumi havia efetuado uma viagem secreta à Síria via Turquia antes de regressar ao Egito. Ele recebeu na Síria formação por parte da organização terrorista Daech sobre utilização de armas e explosivos.

-0- PANA AD/IN/TBM/MAR/TON 28setembro2015

28 Setembro 2015 16:20:29


xhtml CSS