Mbeki reitera compromisso para com processo de paz no Burundi

Addis Abeba- Etiópia (PANA) -- A África do Sul está disposta a enviar mais tropas para supervisionar o cessar fogo no Burundi, disse terça-feira, em Addis Abeba, o Presidente Thabo Mbeki.
Mbeki adiantou que o processo poderá abrandar devido a indisponibilidade de pormenores logísticos que deverão ser fornecidos pela comissão de cessar fogo.
Falando numa conferência de imprensa, o Presidente sul-africano precisou que o fornecimento de tais informações ajudaria a obter melhores pormenores e saber quantos militares a enviar ao Burundi.
Thabo Mbeki, actual Presidente da União Africana (UA), disse que a reunião do órgão central da organização havia solicitado a África do Sul a liderar a missão de manutenção de paz no Burundi e a assegurar o rápido envio de tropas.
Num comunicado divulgado segunda-feira em Addis Abeba, o órgão central da UA para o Mecanismo para a Prevenção, Gestão e Resolução de Conflitos saudou a assinatura dos acordos de cessar fogo em Outubro e Dezembro passados entre o governo de transição no Burundi e o CNDD-FDD de Jean Bosco Ndayikengurukiye, o PALIPEHUTU-FNL de Alain Mubarabona e o CNDD-FDD de Pierre Nkurunziza.
O órgão apelou ao PALIPEHUTU-FNL de Agathon Rwasa a engajar-se nas negociações de cessar-fogo com o governo de transição sem mais delongas.
Instou ainda os estados membros da UA e a comunidade internacional a providenciarem os apoios financeiros e logísticos necessários ao envio de uma missão africana de manutenção da paz.
O comunicado solicitou o apoio dos observadores da UA para a manutenção e consolidação da trégua entre as partes até ao envio da missão de manutenção da paz.
"O órgão central aprova o envio da missão africana prevista no acordo de Dezembro de 2002 e exprime a sua satifação para com os governos da África do Sul, Etiópia e Moçambique que expressaram a disposição de fornecer tropas para a missão", sublinha o documento.
Mbeki, que reconheceu o papel de liderança que a África do Sul jogará na empreitada, apelou no entanto a UA a providenciar os fundos para tornar a operação num êxito.
"Esta é uma operação da UA e creio que eles vão procurar os fundos necessários para a tornar num sucesso", considerou.
Thabo Mbeki recordou a UA que antes dos rebeldes deporem as armas, eles deveriam ter garantias de segurança, acrescentando que "tal garantia só poderá ser dada depois da disponibilidade dos pormenores logísticos.
" "Antes de enviarmos tropas suplementares devemos saber quantos rebeldes estão prontos a renunciar a guerra e quantos pontos de negociação serão necessários", disse o Chefe de Estado sul- africano.

04 Fevereiro 2003 12:02:00




xhtml CSS