Marrocos primeiro país africano a aderir ao sistema Galileu

Rabat- Marrocos (PANA) -- Marrocos e a União Europeia (UE) assinaram terça-feira um acordo que permite ao país ser associado ao desenvolvimento do Sistema Mundial da Navegação por Satélite para uso civil, baptizado Galileu, anunciou uma fonte oficial em Rabat.
Com a assinatura deste acordo Marrocos tornou-se no primeiro país africano, no mundo árabe e no quinto no mundo a aderir ao programa após a China, a Índia, Israel e a Ucrânia.
O acordo rubricado em Bruxelas (Bélgica) prevê uma cooperação industrial e científica entre Marrocos e a União Europeia e permitirá o desenvolvimento geográfico (Mediterâneo Ocidental e África Ocidental), sublinhou a Agência Marroquina de Notícias "MAP".
A participação de Marrocos neste programa permitir-lhe-á "aceder e contribuir activamente" para o desenvolvimento dos serviços universais da nova geração, segundo a agência.
A Comissão Europeia está actualmente em discussão com a Argentina, o Brasil, o México, a Noruega, o Chile, a Coreia do Sul, a Malásia, o Canadá e a Austrália para juntar-se ao sistema Galileu, que anuncia o advento duma revolução tecnológica comparavél à mudança provocada pelos telefones móveis.
O interesse crescente de vários países para participar neste programa testemunha o desenvolvimento do mercado mundial da Radionavegação por Satélite (GNSS) potencialmente consideráveis com três biliões de receptores e receitas anuais estimadas em 275 biliões de euros até 2020.
O sistema Galileu promete igualmente a criação de mais 150 mil empregos qualificados na Europa.
Contrariamento ao "GPS" americano e ao "Glonass" russo, controlados pelas autoridades militares, o Galileu será administrado por civis.

09 Novembro 2005 12:14:00


xhtml CSS