MNE senegalês justifica mediação na crise política mauritana

Nouakchott- Mauritânia (PANA) -- A posição do Senegal face à crise mauritana "está conforme à da União Africana (UA) que preconiza um regresso à legalidade num quadro consensual segundo a Constituição", declarou, segunda-feira, o ministro senegalês dos Negócios Estrangeiros, Cheikh Tidiane Gadio.
Numa declaração à imprensa, em Nouakchott onde ele se encontra desde domingo para contactos com as autoridades do país e os representantes das forças políticas opostas ao golpe de Estado de 6 de Agosto de 2008, Gadio explicou o envolvimento do Presidente, senegalês Abdoulaywe Wade, na gestão da crise mauritana pelos "laços muito fortes" existentes entre os dois países.
Para o Senegal, a Mauritânia não é um país como os outros, tendo em conta a história, a geografia, a cultura e os laços de sangue, disse acrescentando que todos estes factores levam o seu país a ajudar na busca duma solução de saída da crise numa base consensual entre todos os protagonistas mauritanos com vista a consolidar a paz e a coesão a nível da sub-região.

06 Abril 2009 17:27:00




xhtml CSS