Luta contra mutilação feminina ganha terreno na Etiópia

Addis Abeba- Etiópia (PANA) -- Há um ano era impensável para um jovem etíope da zona de Kembata alba-Timbaro, na Etiópia, casar- se com uma mulher não circuncidada.
Actualmente, uns poucos jovens com luzes estão a reverter esta tendência.
Para espanto dos residentes de Hobicha, a cerca de 400 km a sul de Addis Abeba, cinco raparigas não circuncidadas deverão casar- se com os seus parceiros durante uma cerimónia que terá lugar no domingo.
Segundo Bogalech Gebre, Directora do Centro de Mulheres de Kembata que está engajada em educar a comunidade da zona sobre a crueldade da mutilação genital feminina, o casamento será realizado num campo aberto em Hobicha, onde a mutilação é uma norma.
Cerca de três mil pessoas da região são esperadas para participar do evento, o segundo a ser organizado na área, adiantou.
Uma rapariga não circuncidada casou-se publicamente com um homem da sua escolha em Setembro passado, desafiando o ritual tradicional.
Organizações não-governamentais locais e internacionais colaboram com a OMS desde 1999 no combate à mutilação genital feminina, mostrando aos habitantes vídeos desta prática brutal e formando grupos juvenis para levarem a cabo programas de sensibilização comunitária contra o ritual.

24 Janeiro 2003 12:51:00


xhtml CSS