Lomé falhou, segundo um ministro ivoirense

Abidjan- Côte d'Ivoire (PANA) -- O ministro ivoirense da Agricultura, Sebastien Danon Djédjé, qualificou, neste fim de semana em Abidjan, de "fracasso" as negociações que decorrem desde 30 de Outubro último em Lomé (Togo), entre os rebeldes e o governo ivoirenses, noticiou terça-feira a imprensa na capital da Côte d'Ivoire.
"Lomé é um fracasso", afirmou sem comentário no Le Jour, um diário independente, Dano Djédjé, que é também o secretário nacional da Frente popular ivoirense (FPI, no poder) para as estruturas especializadas, durante uma cerimónia de acolhimento dos jovens deslocados de guerra.
Danon Djédjé, que entregou um milhão de FCFA aos jovens deslocados de guerra de Bouaké, uma zona ocupada desde a eclosão da crise ivoirense, a 19 de Setembro, salientou que pesam "suspeitas" sobre o ex-Primeiro ministro ivoirense Alassane Dramane Outarra (ADO) e que, se a sua implicação for provada, o Estado recorrerá às instâncias internacionais.
"Suspeitas pesam sobre ADO.
Se for provado que está envolvido na crise que vivemos, recorreremos às instâncias internacionais, como foi o caso do presidente jugoslavo, Slobodan Milosevic", declarou Danon Djédjé.
A Côte d'Ivoire atravessa, desde a 19 de Setembro último, uma crise caracterizada pela ocupação dos rebeldes, que pretendem derrubar o regime do presidente Laurent Gbagbo.
As negociações iniciaram-se a 30 de Outubro em Lomé (Togo), sob os auspícios do presidente togolês Gnassingbé Eyadema, para se encontrar soluções à esta crise.

03 Dezembro 2002 17:45:00


xhtml CSS