Laurent Gbagbo aceita negociar saída de crise

Abuja, Nigéria (PANA) – O Presidente cessante da Côte d'Ivoire, Laurent Gbagbo, aceitou negociar sem condições prévias uma resolução pacífica da crise no seu país, revelou a delegação da Comunidade Económica dos Estados da  África Ocidental (CEDEAO) que se reuniu com ele segunda-feira em Abidjan.

« Ele prometeu igualmente levantar o bloqueio em redor do Hotel du Golf, o quartel-general provisório de Alassane Ouattara », proclamado vencedor da segunda volta das presidenciais de 28 de Novembro último na Côte d'Ivoire pela Comissão Eleitoral Independente (CEI) e reconhecido por uma boa parte da comunidade internacional, declarou o presidente da Comissão da CEDEAO, Victor Gbeho, num comunicado que leu terça-feira diante dos jornalistas em Abuja, a capital federal da Nigéria.
 
Ele revelou que Ouattara « indicou a sua disposição de garantir uma saída honrosa a Gbagbo,  na condição de ele aceitar os resultados das eleições proclamados pela Comissão Eleitoral Independente (CEI) e certificados pelas Nações Unidas ».

A delegação de cinco membros que agrupa três chefes de Estado da África Ocidental, Pedro Pires de Cabo Verde, Boni Yayi do Benin e  Ernest Koroma da Serra Leoa, bem como o primeiro-ministro queniano e enviado especial da União Africana (UA), Raila Odinga, e o  presidente da Comissão da CEDEAo, reiterou a posição dos chefes de Estado da organização regional de que Ouattara é o Presidente legítimo e reconhecido da Côte d'Ivoire.

« A missão saudou a decisão da UA e da CEDEAO de manter as suas posições de princípio comuns e o facto de trabalhar juntos para encontrar uma solução duradoura à crise. Ela exorta as duas instituições a enviar o mais rapidamente possível uma outra missão de alto nível à Côte d'Ivoire para continuar as discussões com as duas partes », precisou Victor Gbeho.

Contudo, Victor Gbeho reconheceu « o impasse » nas negociações para fazer partir Gbagbo, fazendo alusão à recusa do Presidente cessante de deixar o poder como o pede a CEDEAO.

A respeito da ameaça da utilização da força para lhe fazer partir do poder pronunciada pela CEDEAO, o presidente da Comissão da organização regional precisou : « o Comité dos Chefes dos Estados-Maiores trabalha nas opções possíveis. Ainda não estamos nesta fase ».

Contudo, o primeiro-ministro queniano, Raila Odinga, declarou que « a solução queniana »  (Governo de partilha do poder) está excluída nos esforços para a resolução da crise ivoiriense.

-0- PANA MON/SEG/ASA/TBM/SOC/MAR/TON 05Jan2011

05 Janeiro 2011 09:32:04




xhtml CSS