Largos comentários em Lomé sobre "consultas" entre UE e Togo

Lomé- Togo (PANA) -- A imprensa togolesa consagrou esta semana largos comentários às "consultas" previstas para as próximas semanas entre a União Europeia (UE) e o Togo e que devem constituir um pressuposto para o reforço da cooperação entre as duas partes.
Sob o título "o preço da retomada da cooperação: Lome 2 (palácio presidencial) obrigado a consultar a União Europeia", o Le Régard nota que "chegou o tempo de prestar contas".
O jornal salienta que durante estas consultas, "a instituição europeia terá que recordar ao governo peticionário os compromissos assumidos anteriormente e nunca respeitados".
Acrecentou que "o peticionário deverá em seguida propor uma via susceptível de corrigir as duas falhas em termos de democracia e dos direitos humanos".
Para o Motion d'Information, "a intransigência da UE perturba os planos do governo togolês" que, segundo o jornal, esperava que a UE esperasse pelo final das eleições autárquicas e senatoriais, "favorecendo" a participação de dois partidos da oposição para se valer de uma aparente abertura e levar os Quinze a não respeitar as regras.
"A hora da verdade tocou", escreveu por sua vez o Le Combat du Peuple, afirmando que o presidente Eyadema está "colocado perante o imperativo de reatar a cooperação, sejam quais forem o sacrifício e as concessões a fazer".
Entretanto, o Echos d'Afrique acha que "a intransigência da União Europeia nunca lhe permitiu tomar em conta os progressos do processo democrático no Togo", interrogando-se "porque é que insiste em manter sanções quando o governo faz esforços quanto ao respeito pelas liberdades dos cidadãos?" O Nouvelle République, ao definir o quadro da situação difícil das populações togolesas, pede às autoridades nacionais que empreendam "uma verdadeira política de abertura se esperam verdadeiramente uma retomada da cooperação com a UE".
A ruptura da cooperação entre a UE e o Togo surgiu em 1993 devido ao défice democrático neste país africano.
No princípio de Outubro, as autoridades togolesas consultaram a instituição europeia no sentido de uma retomada da cooperação, mas esta última impõe condições.

23 Outubro 2003 20:30:00


xhtml CSS