Konaré pede solução política urgente no Quénia

Addis Abeba- Etiópia (PANA) -- O presidente da Comissão da União Africana (UA), Alpha Oumar Konaré, declarou domingo em Addis Abeba que a organização continental não devia permanecer indiferente face à crise pós-eleitoral no Quénia sob o risco de a ver transformar-se em genocídio à imagem do que viveu o Ruanda em 1994.
"A nossa credibilidade estará em jogo se não ajudarmos a encontrar uma solução política para a crise no Quénia", declarou Konaré, defendendo ser preciso uma solução política urgente no Quénia.
Konaré pediu reformas institucionais urgentes no Quénia para colocar o processo democrático nos carris.
"Kofi Anan (antigo Secretário-Geral da ONU) fala de abuso sistemático dos direitos humanos.
A UA não vai ficar a olhar um outro genocídio a ter lugar em África.
É a responsabilidade da UA fazer face à situação e resolver o problema através dum processo democrático", acrescentou.
Falando durante a cerimónia de abertura da reunião do Comité dos Ministros dos Negócios Estrangeiros dos 53 países da UA, Konaré indicou que a partilha do poder não é uma solução para a crise queniana.
"É um problema de processo democrático que deve ser abordado através da reorganização das instituições democráticas", disse.
A reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros prepara a Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo que vai decorrer de 1 a 2 de Fevereiro na capital etíope, Addis Abeba, que alberga a sede da UA.
Os ministros vão examinar estratégias de educação das crianças nas zonas de conflito e elaborar novas medidas com vista a assegurar o acesso à água para todos.
O presidente da Comissão da UA reafirmou ainda que iria abandonar o cargo.

28 Janeiro 2008 14:05:00




xhtml CSS