Kadafi saúda fidelidade de francófonos à sua visão africana

Tripoli- Líbia (PANA) -- O chefe de Estado líbio, Muamar Kadafi, prestou uma vibrante homenagem aos países africanos francófonos pela sua fidelidade à sua "visão da unidade africana" acrescentando que a experiência demonstrou que os francófonos são "as águias de África e da união".
"Devo enaltecê-los, homenageá-los e agradecer-lhes.
As suas populações devem saber que os líderes dos países francófonos são sinceros, dedicados e sérios em África e ao serviço da unidade de África", disse o Presidente líbio durante um discurso pronunciado esta semana em Tripoli e dirigido aos cidadãos e aos chefes de Estado africanos na véspera da cimeira da União Africana (UA) a iniciar-se esta quinta-feira em Addis Abeba, Etiópia.
"Os árabes não estão contra a unidade africana mas não estão muito entusiasmados por esta unidade visto que aspiram ainda à possibilidade do advento da unidade árabe e eles colocam a unidade africana em segundo plano", comentou.
Para o coronel Kadafi, os menos entusiasmados pela unidade são "os outros irmãos africanos que nós esperávamos que ficassem entusiasmados pela formação duma força unionista sobretudo depois de se terem livrado da segregação racial e após os sacrifícios consentidos por África".
"A Líbia sacrificou-se em primeiro lugar e pagou um pesado tributo na luta contra os regimes de segregação racial na África do Sul, em Moçambique, na Namíbia e em Angola e até à libertação destes povos.
Ficámos chocados por esta atitude que é, infelizmente, uma realidade da História", disse.
Kadafi saudou, na mesma ocasião, Olusegun Obasanjo, ex-presidente da Nigéria, um país anglófono, "pelo seu entusiasmo pela unidade africana" e afirmou que a Nigéria acredita que o seu futuro se encontra em África e não em outro lado e que este país "é africano em 100 por centro e tem o seu futuro apenas em África".

31 Janeiro 2008 18:24:00




xhtml CSS