Kadafi reafirma criação de governo continental mais apto

Sirtes- Líbia (PANA) -- O guia líbio, coronel Muamar Kadafi, reafirmou terça-feira a ideia de um governo continental mais apto e destacou que a Comissão da União Africana acelerou o processo de integração e unificação do continente.
A PANA soube que as consultas feitas terça-feira de manhã por iniciativa do guia líbio tiveram como finalidade fazer adoptar em Sirtes (centro da Líbia), onde decorre a cimeira da UA, esta ideia de um governo continental, como proposto pelo Comité dos Sete, liderado pelo Presidente ugandês Yoweri Museveni.
Este debate, que tinha ocupado com a reforma do sistema das Nações Unidas o essencial dos trabalhos à porta fechada da cimeira de Sirtes, foi resolvido por um compromisso que consiste em prosseguir os estudos prévios para elaborar um novo relatório na próxima cimeira de Janeiro de 2006 em Addis Abeba (Etiópia).
O Comité dos Sete liderado pelo Uganda é composto igualmente pelo Senegal, pela Etiópia, pela Zâmbia, pela Tunísia, pelo Tchad e pela Nigéria.
A PANA soube que esta proposta apresentada à porta fechada desde o primeiro dia da conferência consiste em criar a nível africano um governo continental que agrupa sete a oito Ministérios reputados incolores politicamente.
Prevê-se a criação das pastas de ministro (secretário na denominação anglo-saxónica) federal do Ambiente, da Saúde, da Energia, da Educação (vertente ensino superior), da Pesquisa Científica, da Cultura e das Infra-estruturas.
Os Negócios Estrangeiros e o Comércio Externor, a Segurança e a Defesa, tidos como politicamente mais sensíveis, vão beneficiar de dois coordenadores, à razão de um para cada Ministério.
Esta reforma, disse o Presidente ugandês, visa delegar todos os poderes necessários a uma alta autoridade política continental capaz de fazer injunção, se necessário, aos ministros nacionais a fim de poder fazer avançar os projectos e programas continentais.
Os 10 comissários eleitos em Maputo (Moçambique) em Julho de 2003, fortemente limitados nos seus poderes pelos textos actuais da União Africana, devem ser confinados em tantos directores de projectos e programas ou promovidos a estes altos níveis de responsabilidades políticas, o essencial é que o poder real de decisão seja alargado e efectivo a nível continental.
Nesta ordem de ideia, a PANA soube que o actual presidente da Comisssão da UA, Alpha Oumar Konaré, deverá ser elevado a super primeiro-ministro encarregado de coordenar a actividade destas altas autoridades políticas.
São estas reformas que foram debatidas à porta fechada com uma forte resistência do Presidente Thabo Mbeki da África do Sul, de tal modo que o único compromisso encontrado segunda-feira, no termo de mais de três horas de debates, foi o de afastar a ideia de reforma e novos estudos nos próximos seis meses.
É neste contexto que foram feitas terça-feita, até o fim da manhã, as últimas tentativas do coronel Kadafi, apoiado por alguns membros do Comité dos Sete sob a forma de consultas restritas com os mais irredutíveis.
Uma batalha de honra que deverá concluir à tarde com a retomada da última sessão à porta fechada que deve anteceder o encerramento da cimeira.

05 Julho 2005 17:38:00




xhtml CSS