Kadafi apela rebeldes de Darfur à paz sem condição

Tripoli- Líbia (PANA) -- O guia Muamar Kadafi, presidente em exercício da União Africana (UA), deplorou o facto de que Darfur sirva de lar de guerra, de insegurança, de pilhagem e de pirataria, onde há refugiados e pessoas deslocadas.
Kadafi, que se reuniu domingo à noite em Tripoli com os membros do Movimento para a Justiça e Igualdade (JEM) de Darfur, afirmou que o problema de Darfur ocupa um lugar prioritário entre os conflitos africanos inscritos na agenda da Cimeira Especial da União Africana prevista para segunda-feira próxima em Tripoli (Líbia) e consagrada ao exame e à resolução dos conflitos em África.
Falando aos membros do JEM, o presidente da União Africana indicou que a guerra na província sudanesa de Darfur "provoca uma grande perda para os Sudaneses", ao precisar que o facto de um Sudanês combater o seu irmão Sudanês não é um acto de orgulho, ainda menos de coragem ou de mártir.
Convencido de que a paz em Darfur apenas pode servir o interesse das suas populações, Kadafi instou os membros da delegação a "reunir todos os que desejam a paz na província, para falar duma só voz e formular um procedimento que possa conduzir, durante esta semana, a uma solução susceptível para conter as potências estrangeiras que aproveitam o sangue das populações de Darfur e dos seu filhos".
Apelou aos membros do Movimento para a Justiça e Igualdade a "seguir Brahim Khali" que "segue a via da paz" e convida os Sudaneses a "controlar-se, a abandonar as armas para salvar a situação e realizar a paz sem condição", tendo em conta os meios de que dispõe o Estado sudanês.
Prometendo o apoio da Líbia e da comunidade internacional ao JEM e ao seu chefe, Brahim Kahalil, "por esta escolha judiciosa" que efectuaram, o líder líbio exprimiu a sua surpresa de constatar que o Movimento de Libertação do Sudão e o seu chefe, Abdelwahed Nour, abriram um gabinete em Tel Aviv e cooperam com os Israelitas, "na altura em que falamos do apoio das populações de Darfur para que a paz se realize definitivamente".
O presidente da União Africana lembrou as declarações que fez, durante uma conferência internacional sobre o problema de Darfur, segundo as quais "as reivindicações de Darfur não vêm das populações de Darfur, mas dos Israelitas que estão atrás da guerra, tanto quanto a pessoa que fala em nome de Darfur abriu um gabinete na capital israelita, dando assim a prova duma conspiração israelita".
"Enquanto os Africamos forem oprimidos e vítimas das hostilidades, deveremos formar uma única nação.
O que significa que as pessoas com pele negra e raça negra devem unir-se para construir África e criar uma potência e impô-la às outras que as desprezaram e reduziram à escravidão", sugeriu Muamar Kadafi que apelou aos Sudaneses a investir no seu país e explorar os recursos para realizar o desenvolvimento sustentável do país.

26 Agosto 2009 13:31:00




xhtml CSS