Junta honra memória de homem que salvou Dadis Camara

Conakry- Guiné (PANA) -- O Batalhão Autónomo da Segurança Presidencial (BASP) onde o chefe da Junta conakry-guineense, capitão Moussa "Dadis" Camara, foi vítima duma tentativa de assassinato, leva doravante o nome do capitão Joseph Loua "Makambo" que perdeu a vida ao tentar proteger Dadis dos tiros disparados contra ele pelo seu ajudante de campo, Aboubacar "Toumba" Diakité, informou a rádio nacional guineense.
A cerimónia de denominação à memória do capitão Joseph Loua "Makambo" teve lugar sexta-feira no Campo Koundara de Conakry.
O capitão Joseph Loua ficou crivado de balas a 3 de Dezembro último pelo seu colega Diakité, que procurou matar Dadis depois duma divergência entre eles a respeito da responsabilidade dos membros da Junta no massacre de 28 de Setembro último.
Este massacre ocorrido no maior estádio de Conakry vitimou cerca de centena e meia de populares que protestavam contra a candidatura das autoridades militares às próximas eleições presidenciais de finais de Janeiro de 2010.
Originário da Guiné Florestal, como Dadis, o defunto capitão Makambo, de 41 anos de idade e fiel ao chefe da Junta, deixa uma viúva e quatro filhos, dos quais uma primogénita de 18 anos igualmente integrada nas Forças Armadas e colocada no batalhão das Amazonas, uma estrutura de protecção do presidente do Conselho Nacional para a Democracia e Desenvolvimento (CNDD, no poder).

20 décembre 2009 11:43:00


xhtml CSS