Jean Ping lidera missão da UA para resolver crise na Côte d'Ivoire

Addis Abeba, Etiópia (PANA) - Uma delegação de alto nível da Comissão da União Africana (UA) liderada pelo seu Presidente, Jean Ping, deverá partir para Abidjan esta quinta-feira para ajudar a encontrar uma solução para a crise política na Côte d'Ivoire, anunciou um comunicado da organização continental.

A visita segue-se à decisão do Conselho de Paz e Segurança (CPS) da UA, tomada na semana passada, que defendeu uma implicação pessoal de Jean Ping na disputa entre o Presidente Laurent Gbagbo e o seu rival Alassane Ouattara, que foram declarados vencedores da segunda volta das eleições presidenciais de 28 de Novembro último pelo Conselho Constitucional e pela Comissão Eleitoral Independente (CEI), respetivamente.

«Foram tomadas disposições para que o Presidente se reúna com ambos os campos separadamente ou juntos», disse o porta-voz de Jean Ping, Noureddine Mezni, num comunicado.

A delegação da UA, que integra o comissário para Paz e Segurança,  Ramtane Lamamra, e o Presidente da Comissão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Victor Gbeho, entre outros, vai deslocar-se primeiro a Abuja para manter um encontro com o Presidente nigeriano, Goodluck Jonathan, presidente em exercício da organização sub-regional oeste-africana, antes de partir para Abidjan.

Várias organizações multilaterais, incluindo as Nações Unidas e a CEDEAO, reconheceram Alassane Ouattara como vencedor das eleições.

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, disse quarta-feira que receava que a crise poderia causar a retomada da guerra civil entre o norte e o sul que dividiu a Côte d'Ivoire desde 2002.

Alcide Djedje, ministro dos Negócios Estrangeiros de Laurent Gbagbo, disse terça-feira que uma nova mediação africana estava a caminho depois do aparente fracasso do ex-Presidente sul-africano, Thabo Mbeki, nomeado mediador pela UA.

Ex-assessor diplomático de Laurent Gbagbo e antigo embaixador nas Nações Unidas, Alcide Djedje disse que os Estados Unidos e França, ex-colonizadora da Côte d'Ivoire, cometeram um erro ao se apressar a reconhecer a vitória de Alassane Ouattara.

A UA e a CEDEAO suspenderam a Côte d'Ivoire e a União Europeia adotou sanções contra personalidades próximas de Laurent Gbagbo devido à sua recusa de reconhecer a vitória de Alassane Outtara e abandonar o poder.

-0- PANA OR/SEG/TON 16Dec2010

16 Dezembro 2010 10:04:23




xhtml CSS