Human Rights Watch contra julgamento de civis por Tribunais Militares na Tunísia

Túnis, Tunísia (PANA)   - Human Rights Watc (HRW), organização de defesa dos direitos humanos, afirmou que a comparência dum empresário no Tribunal Militar na Tunísia e a detenção de sete outros em locais desconhecidos e isolados do mundo externo ameaçam os direitos humanos no país, indica sexta-feira um comunicado da referia entidade.

Amma Guellali, diretora da Representação de Túnis da organização, afirmou que não se deve fazer  julgamentos de civis por Tribunais Militares ou para detenções secretas numa verdadeira transição democrática, qualquer que seja a ameaça ».

Afirmou que «a transparência e a sua supremacia da  lei constituem as melhores garantias contra a corrupção ».

HRW lembrou, neste sentido, a detenção do empresário Chafik Jarraya, preso numa caserna militar, e a colocação em residência vigiada de sete outros empresários , sem que nenhuma acusação seja proferida contra eles.

Chafik Jarraya é acusado de traição e conspiração com um Exército estrangeiro, acusações passíveis da pena de morte, denunciou a organização exigindo das autoridades para revelarem imediatamente os locais onde estão detidas as pessoas, garantindo-lhes o direito de poder comunicar com os seus advogados que devem também ter acesso aos processos de acusação.

Segundo a organização, a comparência dos civis diante  de tribunais militares constitui uma violação do direito  a um julgamento justo.

-0- PANA AD/IN/BEH/IBA/FK/DD 10junho2017

10 Junho 2017 16:40:22


xhtml CSS