Hospital cabo-verdiano reduz em mais de 50% óbitos de bébés prematuros

Praia, Cabo  Verde (PANA) – O investimento num medicamento que reduz  problemas respiratórios já permitiu diminuir em mais de 50 porcento o número de óbitos de bébés prematuros nascidos na principal unidade hospitalar de Cabo Verde, anunciou esta terça-feira o diretor do serviço de neonatologia do Hospital Agostinho Neto, António Cruz, na cidade da Praia.

Numa entrevista à Rádio de Cabo Verde (RCV), a propósito do Dia Internacional de Sensibilização à Prematuridade, António Cruz revelou que a insuficiência respiratória é a primeira causa da morte de prematuros nesse centro de saúde.

Afirmou que o Hospital Agostinho Neto está a conseguir driblar esse fator desde julho último, com a aquisição duma substância chamada “sulfactante” que melhora o funcionamento dos pulmões dos prematuros.

Cabo Verde tem uma taxa de prematuridade que ronda a mundial, ou seja sete porcento, o que é considerado como “aceitável” pelo pediatra e diretor do serviço de neonatologia do Hospital da Praia.

São consideradas prematuras todas as crianças nascidas antes de completar as 37 semanas de gestação, a contar da data da última menstruação da mãe.

Nascem cerca de 15 milhões de bebés prematuros todos os anos no mundo, o equivalente a mais de um bebé em cada dez.

O Dia Mundial da Prematuridade tem como objetivo alertar para o crescente número de partos prematuros e informar sobre as consequências para o bebé, a sua família e a sociedade.

Essa data é uma maneira de consciencializar as pessoas da importância da prevenção do fenómeno.

Também neste dia, pretende-se refletir sobre a qualidade e humanização do atendimento oferecido às crianças que nascem antes do tempo normal e suas famílias, clamando assim por tratamento moderno e adequado.

-0- PANA CS/DD 17nov2015


17 Novembro 2015 16:09:04


xhtml CSS