Guineense observa greve de fome para apoiar líder da Junta

Conakry- Guiné-Conakry (PANA) -- O presidente da Associação dos Poetas e Escritores da Guiné-Conakry, Paul Tamba Kamano, iniciou terça-feira uma greve de fome de 48 horas na sede local da União Europeia (UE) em Conakry com vista a manifestar o seu apoio ao líder da Junta, Moussa Dadis Camara, vítima duma tentativa de assassinato, soube-se quarta-feira em Conakry.
Segundo a televisão nacional, Kamano denuncia e condena a tentativa de assassinato, a 3 de Dezembro último, perpetrada pelo tenente Aboubacar "Toumba" Diakité, ajudante de campo e chefe da guarda do Batalhão Autónomo da Segurança Presidencial (BASP).
"Eu denuncio o silêncio culpado da União Europeia, da União Africana e das Nações Unidas que não condenaram absolutamente este acto cobarde e bárbaro cometido no país contra o qual elas estão prontas para erguer ameaças", declarou Kamano, descrevendo o atentado como "acto ignóbil".
Por outro lado, cinco jovens dum bairro popular de Conakry que iniciaram uma greve de fome de 48 horas em Outubro último para protestar contra a violência, no dia seguinte aos acontecimentos trágicos do Estádio de 28 de Setembro onde 150 populares morreram, foram detidos e conduzidos ao campo Alpha Yaya Diallo, quartel- general da Junta actualmente no poder na Guiné-Conakry.
Os cinco jovens foram libertados após um longo inquérito durante o qual eles convenceram as autoridades militares de que o seu combate se inscreve no quadro duma denúncia da subida da violência no seu país.

10 Dezembro 2009 19:47:00


xhtml CSS