Guiné-Bissau justifica adesão à Francofonia

Antananarivo- Madagáscar (PANA) -- A adesão da Guiné-Bissau à Organização Internacional da Francofonia (OIF) visa "uma melhor integração na sub-região oeste-africana" onde o país está localizado, justificou Umaro Embaló, conselheiro especial do Presidente guineense João Bernardo "Nino" Vieira.
"A adesão à OIF é para nós uma questão essencial para manter as melhores relações possíveis com o Senegal e com a Guiné Conakry, que são os nossos dois principais vizinhos", declarou à PANA o conselheiro de Nino Vieira segunda-feira em Antananarivo (capital do Madagáscar).
Falando na véspera da abertura da Conferência Ministerial da Francofonia (CMF), Embaló afirmou que esta adesão "não põe em causa" a identidade da Guiné-Bissau como país lusófono.
Ele sublinhou o papel importante jogado pela OIF no acompanhamento da transição política no seu país coroada pela eleição, em Julho, de Nino Vieira.
"A solidariedade da Francofonia em relação ao nosso país exprimiu-se durante a crise que conhecemos recentemente.
As relações pessoais que ligam o Presidente Vieira ao secretário-geral da OIF, o ex-chefe de Estado senegalês Abdou Diouf, prevêem boas perspectivas para a cooperação entre o meu país e a instituição francófona", declarou.
"A formação dum novo governo com um homem de experiência como (primeiro-ministro) Aristides Gomes à cabeça prova que o país saiu da zona de turbulência.
Esperamos durante esta fase, continuar a beneficiar da solidariedade francófona", acrescentou o conselheiro do Presidente guineense.

22 Novembro 2005 10:08:00




xhtml CSS